Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Lata de Conversas

Lata de Conversas

16
Ago21

Uma mente inquieta

Paulo L

PicsArt_08-01-01.40.33.png

PL

A menina dos olhos doces voltou a sorrir e eu vi um dos sorrisos mais bonitos do mundo. A playlist tocava um despretensioso jazz vocal misturado com uns blues e umas referências mais “casual”, o fim de tarde assim pedia. Um whisky on the rocks talvez caísse bem.

 

Your voice is still calling me from somewhere back in time ouvia-se na voz de Inger Marie Gundersen que me levou a Cesário e a

 

Teus olhos dizem mais

Que a tua própria carta.

 

Mas se essa carta alguma vez existiu o destinatário não fui eu e a playlist continuou com

I started a joke

Which started the whole world crying

But I didn't see

That the joke was on me, oh no

I started to cry

Which started the whole world laughing

Oh, if I'd only seen

That the joke was on me

 

Vi umas fotografias que tinha tirado durante a manhã, logo após o sol nascer, no frenético, mas tranquilo cenário do regresso, sempre esperado e temido, da faina marítima, entre peixe fresco, gaivotas desesperadamente ansiosas pelos seus quinhões e as tricanas que aguardam o seu sustento antes da debanda para a modernizada lota que substituiu o antigo e tradicional mercado do peixe.

 

Vale a pena ler O Poveiro, onde Santos Graça conta com pormenor e mestria a singularidade do pescador local. Mas, num registo completamente diferente, o pensamento voa para A Sibila da Agustina. Não pelos oráculos dos deuses, as adivinhações, mas pela menina dos olhos bonitos. 

 

Assolam-me a mente e inquietam-me múltiplos e dispares sentimentos, sensações e pensamentos. A inquietude é constante a insatisfação permanente. A playlist parece querer acompanhar este padrão e introduz algumas coisas em português. Dou por mim a ouvir

 

Para de chorar

E dizer que nunca mais vais ser feliz

Não há ninguém a conspirar

Para fazer destinos

Negros de raiz

 

Mas como que por magia ou intervenção das sibilas o salto deu-se do Rui Veloso para Jorge Palma e imaginei-me, tal como na música,

 

Não sei se era maior o desejo ou o espanto

Só sei que por instantes deixei de pensar

 

Mas uma chama invisível não me incendiou o peito. Apenas a nostalgia e a necessidade de avançar. Peguei no livro que comecei ontem, A rota da porcelana de Edmund de Waal. Li as primeiras páginas, certamente levar-me-á a destinos longínquos, por rotas menos turbulentas que os meus pensamentos. Porque é que a minha playlist me traz O erro mais bonito? Se eu pudesse regressar aquele dia. E pudesse voltar a dizer como a Ana Moura

 

Tens os olhos de Deus

E os teus lábios nos meus

São duas pétalas vivas

 

Ouvi até ao fim, com o livro suspenso no colo e os olhos fechados.  Voltei ao texto e à rota das porcelanas, aos ateliers de fino pó branco, moldável e macio onde delicadas peças vão nascendo embelezando estantes, vitrines, montras, escritórios, quartos, salas, casas, palácios e bordeis.

 

É verdade que os sonhos se tornam realidade se pensarmos neles com muita força?

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub