Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Lata de Conversas

Lata de Conversas

02
Dez19

A beleza da leitura sensorial

Paulo L

Há livros que são mais que livros quando a sensibilidade da escrita transforma a leitura num processo sinestésico.

Em Kyoto Kawabata traz-nos o aroma das cerejeiras em flor, dos cedros, da terra húmida e em Terra de Neve mostra-nos a delicadeza do toque do inverno, do frio gélido e da maciez da neve.

Valter Hugo Mãe percorrendo a labiríntica floresta japonesa segue, em Homens imprudentemente poéticos, a beleza narrativa que o Japão interior transporta associada à interiorização imaginativa que se percebe numa narrativa poética desconstruindo toda uma simbologia de afectos onde a ternura e o amor se mostram com roupagens diferentes.

A musicalidade associada a este livro contrasta com aquela em A desumanização onde o constante silêncio da solidão é frequentemente interrompido inquietação da natureza. E é assim que tratada a dor, o luto e a complexidade das relações humanas. Sente-se na pele.

Uma percepção de musicalidade na escrita encontramos também em Mário Cláudio e Guilhermina continuando pelo O fotografo e a rapariga complementado por uma narrativa descritiva em formato de pintura ou fotografia a imagem se sobrepõe ao som.

Este tipo de narrativa surge também em Shalimar o palhaço. A mestria de Rushdie como contador de histórias é transversal a outras obras e não posso deixar de fora Luka e o fogo da vida. Os textos vão fluindo num desenvolvimento mágico e cativante que se esperam duas coisas antagónicas, o anseio de chegar ao fim e a esperança de não terminar, tão bela é a prosa.

O teor mágico surge também em Paulo Coelho. Brida, O Alquimista e Diário de um mago seriam as minhas sugestões e por esta ordem. Exatamente a ordem inversa pelo que foram escritos.

Ao falar em Rushdie vem-me sempre à ideia Para onde vão os guarda-chuvas. A leitura deste soberbo romance foi acompanhada com uma constante constatação que poderia estar a ler Rushdie. É uma opinião minha. Talvez apenas eu tivesse esta impressão, talvez esteja completamente errado.

Há hora e meia que não sei o que estou a ouvir. Absorto na escrita, a música surge ao fundo. Uma sinfonia que poderá ser do período pós-romântico.  

E, antes de sair do escritório, num último olhar pela estante, pego e folheio Meu amor muito querido... e os meus olhos param quando leio “Juntos, eramos tão felizes quanto o podem ser um homem angustiado e uma mulher apaixonada”.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D