Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Lata de Conversas

Lata de Conversas

28
Mar21

Contra mim falo

Paulo L

DSCF3236b.jpgPL

 

Contra mim falo.  Sendo um cidadão comum, igual a tantos outros, sem predicados excepcionais ou algo porque ser reconhecido. Inconscientemente, porque conscientemente estou-me a borrifar, talvez pretenda ter aqui os meus 15 minutos de fama. Numa sociedade onde quase todos querem ser famosos, o protagonismo vai sendo para os que em nada o deveriam ser. A futilidade ocupou os lugares e monopolizou audiências. Assusta-me assistir ao canal publico de televisão a horas sensatas do dia, assusta-me ainda mais assistir aos canais abertos a horas sensatas do dia. Assustam-me as guerras de audiências baseadas no Big Brother. Hoje em dia é politicamente incorreto falar-se de elite cultural, apesar de existir. Mantém-se, por razões políticas, ideológicas e sociais, afastada das luzes dos média, silenciada nos horários nobres. A clara incompetência reinante só sobrevive à custa da ignorância, agora dita aliteracia e outrora iliteracia, duma franja votante cujo único objetivo é a manutenção da subsidiocracia. Mas estou a fugir do tema. A Rita Pereira, por exemplo, tem 1,5 M de seguidores no Instagram. Seguem o quê? As luzes do estádio do Nacional da Madeira? Ou seguem uma geração amorangada que não evoluiu? Mas que proliferou. Este é apenas um de muitos exemplos. As redes sociais estão pejadas deles. O Alta definição teve convidados fabulosos, entrevistas memoráveis. Está reduzido a atores de novelas que falam da sua vida pessoal, das suas relações familiares e dos seus traumas de infância. Por favor, poupem-me a isso, aqueles olhos já nada têm para dizer. Tragam algo de novo, partilhem cultura, partilhem ciência, partilhem conteúdo. Há tanta gente interessante em todas as áreas. Um apelo, deixem o jornalixo e façam o verdadeiro jornalismo. Esqueçam as caras larocas e promovam as mentes brilhantes.  Há-as em muitos lados e, curiosamente, são pessoas de quem não se fala nas revistas nem nas televisões. Que trabalham quase anonimamente sendo apenas reconhecidas entre pares. E que delicia ouvi-las falar. São poemas magistralmente declamados. Enchem-nos a alma. Reservem para as vulgares futilidades apenas o pouco tempo que lhes deveria caber e mudem o paradigma da inconsciência coletiva para uma consciência proactiva do que realmente é importante.  Para ver algum programa mais elaborado e de interesse cultural sou obrigado a praticar horários incompatíveis com o descanso necessário para o laboro diário habitual. Para assistir a algum tipo de informação científica interessante espero semanas por uma ou outra série com interesse. Estou a deixar de parte os canais específicos não massificados propositadamente porque aí procura quem quer. A questão está no dar e não no procurar, está na propositada desinformação, está na ultrajante valorização do fútil e do inconsequente como doutrina a seguir. Na premiação da imagem e não do conteúdo. No estar em vez do ser. Na transformação do acessório no essencial. Foi-se perdendo a capacidade de aprender e o gostar de saber e foi-se ganhando o voyeurismo social como o leitmotiv vivencial.

Tudo isto vem a propósito do Editorial do último numero da revista Electra. Soberbamente escrito e que aconselho fervorosamente a leitura. Não transcrevo passagens do texto porque foi sempre meu propósito nunca o fazer aqui, relativamente a tudo o que vou falando, livros, musica, comentários. Foi sempre minha intenção falar nas coisas e deixar que o leitor as procure. Mas não posso estar mais de acordo com o que lá está escrito.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub