Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Lata de Conversas

Lata de Conversas

16
Mai20

Segunda oportunidade? Porque não ! ?

Paulo L

Blogue 1.jpgPL

Poucas coisas existem tão apetecíveis como ceder à curiosidade e regressar a autores que pouco satisfizeram da primeira vez.

É esta curiosidade que nos mata. Tentar novamente, ver se é diferente. Correr o risco. Tão típico da natureza humana correr riscos.

Há riscos e riscos. Ler um novo livro de um autor depois de não termos gostado do primeiro não é propriamente um risco muito elevado. É apenas um tempo usado, porque não quero dizer gasto, para perceber melhor  o caminho percorrido, a dinâmica, a evolução. É que a primeira vez nem sempre é como esperamos e muitas vezes é mesmo o contrário do que estávamos à espera.  Baralhando e tornando a dar. Gostamos do livro, lemos o segundo. O segundo não é tão bom. Compreendemos. Lemos o primeiro, não é bom. Condenamos o segundo? Talvez a maioria das vezes sim. Devemos fazê-lo? Talvez não. Passamos à segunda oportunidade. Acontece em tantas situações.

Foi o que decidi fazer a María Gainza. Gostei do título Hotel melancólico. Talvez porque se coaduna com o confinamento a que estamos sujeitos. Donde da varanda virada ao sol apenas poucos transeuntes, passeadores de cães e atletas nas suas formas reais ou pseudo, distantes e distanciados, alegram debilmente uma outrora movimentada rua com conversas em alto tom, risos, coscuvilhices e confrontos caninos de indisciplinados rafeiros e snobs pedigrees feéricos e desobedientes.

Não é a Avenida Niévski no seu bulício quotidiano. Como eu gostava que fosse! Como me vejo à janela grande do café olhando quem passa, imaginando as suas histórias. É a minha avenida, com as suas histórias, sem a grandiloquência que a imaginação me transporta de Gogol e da sua avenida. À minha maneira interpreto histórias, atribuo significados, invento vidas para os que passam absortos nas suas próprias. E esta melancolia duma tarde soalheira combina com o Hotel melancólico onde se fala de arte, de pessoas, de sentimentos, de realidade de ficção. Da nobreza da cópia, do estigma da falsificação. Da memória e da vida.

Com uma escrita mais criativa e menos ligada a constantes referencias e notas reais que me cansaram n’ O nervo ótico, uma narrativa mais romanesca e menos ensaísta e uma história ao jeito da autora que é também crítica de arte.

Saboreei o café na varanda da minha Niévski acompanhado por Hanne Boel e The shining of things. E fui aproveitando o sol como justificação para manter Hanne Boel comigo.

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D