Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Lata de Conversas

Lata de Conversas

26
Jan18

Hoje apeteceu-me ...

Paulo L

DSC00951 blogue final.jpg

João Carlos apreciava disfarçadamente o conteúdo escondido por trás do esforçado botão que, em número 2, descia pelo centro da camisa. Luísa da Conceição acomodava-se a jeito, fingindo não perceber. Na mesa em frente, do mesmo café de todos os dias, mais que os olhares trocados, era o silêncio cúmplice que se fazia ouvir. Habituais, outros clientes, não lhes passava despercebido o que só João e Luísa não queriam assumir. Parecendo distantes aproximavam-se em pequenos detalhes. As revistas de gadjets e os jornais desportivos foram sendo lentamente substituídos por romances da moda e progressivamente por autores de leitura complexa. Talvez assim a atenção de Luísa fosse despertada. Proust acompanhava-a havia algum tempo, embora o avançar das páginas não acompanhasse o tempo que dispunham em conjunto. Uma ou outra revista cor de rosa saía a medo da carteira e avidamente devorada com se de uma fome de semanas se tratasse. João Carlos empenhava-se a sério na leitura. Proust ia permanecendo mais pousado do que mexido. Sofria em silêncio o progressivo abandono mas ansiava o olhar ávido de João Carlos, que, a sucessões de dias, mais ia alternando o olhar entre o corajoso 2º botão e o Do lado de Swann, o primeiro dos 7 livros de Em busca do tempo perdido. Luísa da Conceição chorava o segundo nome, apostado em honra duma tia-avó que não chegou a tempo de madrinha pela trombose que a atacara 3 meses antes, já os preparativos iam longos e o dinheiro impossível de reaver. A recordação ficara inscrita mais do que o rosto presente, pois aos nove meses, nem Luísa da Conceição nem outra alma nascida, dele se poderia lembrar. João Carlos herdou o nome dos avós. Um já falecido na altura, o outro em boa actividade, que de marceneiro se ia entretendo até à esperada reforma, para depois continuar a fazer o mesmo. Dos longos dias de verão já ficava apenas uma lembrança e o anoitecer outonal, com as suas cores escarlates suavemente se transformava no escuro inverno onde apenas os candeeiros da rua viviam o alegre acender pelas seis da tarde, anunciando o recolher quase obrigatório que o frio, o vento e a chuva iam impondo. E foi numa dessas tardes, que um vento mais apressado, pousou com violência a sua mão destruidora no frágil guarda-chuva estampado a cores alegres em desenhos de flores que pretendia proteger Luísa da Conceição da miudinha chuva que do céu descia diáfana e penetrante. Foi com esmero que João Carlos se aproximou, vencendo a destruidora timidez que o impedia de ousados proveitos, e docemente ofereceu a sua companhia a troca do outro lado da sua umbrela. Apenas o tubo de madeira castanha os separava e o fino tecido preto raiado a cinzento claro os protegia. Rua abaixo, calados de inicio, ao longe foram desaparecendo numa dupla silhueta que se fundia na noite, não sem antes o último lampião mostrar as suas mãos entrelaçadas.

PL

 

06
Jan18

A neve, a sua terra e eu

Paulo L

A beleza inóspita da nevosa região do norte da costa oeste do Japão é o improvável cenário onde mais uma história de amor profundo e impossível ocorre, contada pelo punho poético da escrita de Kabawata.

Terra de Neve é, por isso, para ser lido. Já habituado à sua escrita, após Chá e Amor e Kyoto, continuo fascinado pela beleza descrita duma região longínqua e fria, onde o branco high-key fotográfico sombreado a neblina inunda o meu imaginário, onde vejo passar ao longe o contrastado colorido dos quimonos das gueixas, cujas faces se perdem na brancura da paisagem. O pormenor descritivo obriga a uma leitura cuidada, detendo-se em pequenos detalhes, que o leitor menos atento pode deixar escapar, mas que preenchem a narrativa harmoniosamente, qual detalhe musical, que por trás da melodia principal enche de sonoridade o texto. Sem nos esquecermos do local e da época, o que facilmente acontece porque Kawabata nos transporta a cada parágrafo, vamos apreciando a cultura, a tradição e o estilo de vida do interior montanhoso e, para muitos, inacessível. Transporta-nos com igual beleza para o coração duma jovem gueixa e para o seu amor impossível. Transporta-nos para uma complexa rede de sentimentos entre o impetuoso temperamento da gueixa e a contrastante serenidade do visitante. Transporta-nos também para a música de Gustav Mahler e para a sua Sinfonia nº 5. Podemos comparar a mistura de sentimentos ao convívio do alegre e do trágico soberbamente expostos nesta sinfonia. Ler os momentos mais íntimos ao som do adagietto e contrastando o 5º andamento com a deliciada descrição do incêndio no armazém dos casulos. O inicio da sinfonia (1º andamento) apresenta-nos a fria Terra de Neve, o inóspito clima e o jovem doente. E a completa modificação da transição para o segundo andamento encorpa a felicidade da gueixa com o regresso do seu visitante.

E numa tarde fria, onde Mahler e Kawabata se encontram, a conversa temperada com Pêra-Grave Reserva 2012 foi evoluindo num tom sereno.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D