Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Lata de Conversas

Lata de Conversas

30
Jul17

Ligações imperfeitas... ou mais que perfeitas

Paulo L

Por vezes sentimo-nos na obrigação de continuar alguma coisa que começamos, mesmo que a vontade ou a inspiração nos digam o contrário. Não é este o caso do meu blogue e muito menos será o de Nuno Camarneiro quando escreveu Se eu fosse chão. Depois de ler No meu peito não cabem pássaros e com Debaixo de algum céu em lista de espera, tinha uma expectativa diferente. Um argumento que me pareceu interessante levou-me a dar-lhe a primazia, não mantendo a ordem cronológica. Soube-me a pouco e mal. Uma pobreza narrativa numa história assente em episódios isolados, mais parece um livro de contos que um romance. Aceito o desacordo dos leitores (o autor não creio que se preocupe em ler o meu blogue ), apenas dou a minha opinião. Raramente transcrevi alguma passagem dos livros que falo. São para ser lidas em continuo e não deslocadas, e fora do contexto podem ter interpretações completamente diferentes daquela que foi o objectivo do autor. Não sou muito adepto da multiplicidade interpretativa duma obra de arte. É uma esquizofrenia artística. Olhamos e vemos coisas diferentes. Confrontamos o autor e a ele nunca lhe passou pela cabeça a quantidade de coisas que inferimos da sua obra. Vem-me à cabeça o sapato de tachos e o candeeiro de tampões da Joana Vasconcelos. É arte... enfim! Mas hoje pareceu-me que uma passagem de Camarneiro traduz aquilo que quero dizer. “A literatura é a mais horrenda das artes, porque é feita da mesma matéria com que falamos e nos enganamos a nós e aos outros.” Contudo parto com o mesmo entusiasmo para o Prémio Leya de 2012. Vamos ver quando o tempo me permite a sua leitura.

Baseado neste conjunto de microficções (expressão que li a propósito noutro blogue) aconselho a leitura deste livro ao som de Quadros de uma exposição de Modest Mussorgsky. São músicas compostas tendo por base dez quadros de Viktor Hartmann expostos numa galeria em São Petersburgo. Peças soltas, unidas pela mesma melodia, tal como as histórias deste livro ligadas pela sua base comum, o hotel.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D